contato@immobiliernordeste.com.br        +55 (81) 3038-8383
  Sábado, 18 de Setembro de 2021

Notícias

O preço dos imóveis em 2015

  22/05/2015   Ramon Cardoso

Neste ano, o boom do mercado imobiliário, propiciado por mudanças na legislação a partir de 2005, vai completar uma década. Com as medidas legais implementadas pelo governo federal naquele período, a partir de 2004, houve retomada histórica em nosso segmento. Recursos para o crédito imobiliário voltaram com fartura ao mercado, tanto nos bancos públicos quanto no sistema financeiro privado. Associada a outros fatores intrínsecos àquele cenário, a ampla oferta de crédito aqueceu o setor e trouxe de volta ao primeiro plano o acalentado sonho da casa própria.

Com deficit habitacional estimado, à época, em 11 milhões de unidades, lançamentos em abundância, dinheiro farto, recursos disponíveis também para a aquisição de imóveis usados e clientes ávidos por conquistar uma propriedade os preços subiram em escala geométrica. O valor médio do metro quadrado elevou o Brasil a patamar de primeiro mundo frente ao mercado imobiliário internacional.

A aceleração dos valores chegou a gerar especulações sobre possível bolha imobiliária nos trópicos, em equivocado paralelo com o mercado norte-americano. Os boatos passaram, mas as condições começam a mudar. Em decorrência de outros fatores, as alterações mexeram com temperatura do setor.

Um dos indicadores que se tornou consenso, os preços dos imóveis no Brasil atingiram o teto e não há mais espaço para aumentos. A estabilização de valores que vimos assistindo desde o fim de 2013 deve persistir, fazendo com que possíveis correções acompanhem os avanços inflacionários. Quem aumentar preço para comercialização ou locação poderá ver o produto na prateleira por um longo período. Tampouco há indicadores de que haverá queda nos preços.

Enquanto muitos atribuem os valores alcançados no Brasil à mera especulação, há uma outra interpretação cabível, com base em dados históricos. O segmento imobiliário brasileiro estava estagnado há anos, desde a extinção do BNH (Banco Nacional de Habitação). As iniciativas isoladas de investimento e de construção da casa própria foram sufocadas pelo confisco do dinheiro no Plano Collor. A falta de segurança jurídica para a aquisição de imóveis diretamente com os construtores também afastou o cliente.

O cenário, em 2015, indica que o setor imobiliário deverá se concentrar na comercialização das propriedades que estão prontas. Os lançamentos serão poucos, escassos e pontuais. Para apimentar ainda mais esse cenário, vieram as medidas econômicas recém-anunciadas. A Caixa Econômica Federal elevou os juros para financiamento imobiliário. O governo federal aumentou os custos dos empréstimos bancários, entre eles os destinados à compra de imóveis.

As novas medidas devem chamar a atenção de todo o setor imobiliário, da cadeia produtiva e, principalmente, do consumidor. Quem for pleitear financiamento, mais do que nunca, deve comparar condições e custos do valoroso produto chamado dinheiro. Opções, como consórcio imobiliário, poderão retomar o espaço que tiveram anteriormente. E a criatividade de quem tem o que ofertar deve entrar em cena. Os ingredientes de que dispomos, no momento, disparam sinal de alerta. Mas a história ressalta: as crises geram muitas sequelas, mas também muitas oportunidades.
  Sobre nós

Imobiliária do segmento de luxo de vendas e aluguéis do setor residencial e comercial do Recife que preza pela qualidade de atendimento e satisfação do cliente.

  Fale conosco
  Immobilier Consultoria Imobiliária

Av. Boa Viagem, nº 1906 - Loja 6
Boa Viagem - Recife/PE

Tel: +55 (81) 3038-8383
E-mail: contato@immobiliernordeste.com.br

  Horário de funcionamento

Segunda a sexta, das 8h às 18h
Sábado e Domingo, das 8h às 12h